quinta-feira, 15 de julho de 2010

Garagem a Rolar




Tenho alguma escrita em atraso por aqui e muitas fotografias para descarregar, espalhadas por várias memórias.

A Bianca não tem sentido o sol a queimar-lhe a pele. Pelo menos não tanto quanto sei que gostaria. Confesso que de manhã e à noite, quando passo pela garagem, não consigo deixar de rodar a cabeça e dedicar-lhe um olhar de relance. Embora minimalista, sabe-me bem o ritual.

Este fim de semana consegui fintar a agenda e receber o meu amigo Júlio para, num par de horas, engordar a rodagem da Bianca. Aproveitei e revi a minha Helix de passagem, pois tem estado nas mãos dele, cumprindo a nobre e espinhosa missão de substituir a sua GT cinza nas tarefas quotidianas.

Foi um cenário diferente, ver as minhas duas scooters a rodar ao mesmo tempo. Uma visão inédita, pretexto perfeito para que, numa das nossas frequentes paragens, o Júlio fizesse esta curiosa imagem.

4 comentários:

Leo_Dueñas disse...

Bela imagem, tão boa que parece de uma campanha publicitária. Asfalto nelas!

MOTARTE disse...

Excelente!!!

Júlio disse...

A missão da Helix é de facto espinhosa. Não é facil substituir a GT. A sensação de condução da Granturismo só é comparável à das suas irmãs mais novas. E já agora um grande elogio à GTSuper!!! Apreciei muito as subtis diferenças de performance. A resposta é um pouco mais rápida (fruto da i.e.?) e rola um pouco mais descontraída que a GT. E esteticamente está excelente. Da GT para a GTSuper foi como que um upgrade da excelência para a perfeição.
Se bem que seja fácil quando falamos destas vespas, também não é justo esqueçer a Helix. A minha experiencia de condução com ela confirma que é um veículo... diferente!! Curvar nela exige algumas adaptações e habituação mas torna-se um vicio. Rolar baixinho e com as pernas para a frente é também uma opção bem-vinda. Só me queixo de alguns ajustes ergonómicos que ela precisava para acomodar melhor a minha estatura (1,88). Apesar de ser uma scooter bem maior que a Vespa, esta última é sem dúvida mais ergonómica para mim.
Mas para apreciar um bom passeio não chegam só as máquinas. Elas nem são a variável mais importante. A atitude certa, uma paisagem a condizer, curvas convidativas e uma boa companhia são outros ingredientes de peso. E nesse domingo estavam lá todos! Quando há 4 anos me meti nisto das 2 rodas fi-lo apenas por razões práticas. Felizmente colhi outros benefícios. Estes saborosos passeios domingueiros e a amizade do Vasco, foram sem dúvida dos melhores frutos! Um abraço grande!

Cavok disse...

"O amor é lindo"... e a amizade, também!

No primeiro caso, da relação que existe entre o autor e as suas duas máquinas. No segundo, por aquilo que está implícito no discurso do Vasco e do Júlio.

Parabéns ao Vasco pela forma como partilhou isto. Parabéns ao Júlio, que fez uma descrição fantástica dos amores do amigo.