domingo, 18 de fevereiro de 2018

Fugir da Chuva no Alentejo




Nove da manhã de sábado. Depois do pequeno almoço, decido rumar a sul, passando a ponte. Sem planos a partir daí.
Pouco tráfego, manhã fria e muito cinzenta, mas ainda não chove. O Paulo ontem disse-me que talvez fosse melhor ir para norte, se quiser fugir à chuva. Agradeci o conselho, mas apeteceu-me  secretamente contrariá-lo, sem razão aparente. 
Vou na X8 e há uma estreia a confessar: pela primeira vez em alguns milhares de quilómetros em viagens de scooters, transporto comigo o tripé para a máquina fotográfica. Dentro do porta bagagens da X8. Entra pela porta traseira e acomoda-se com facilidade como quem guarda uma pequena cana de pesca numa grande carrinha. Pode parecer um facto irrelevante, mas podem crer que é um mundo de novas possibilidades. Nem sei como ainda não me tinha lembrado de experimentar.


Estive para ir por Sesimbra, mas decido seguir em frente e acabo por só sair na Marateca, apanhando a N4. Não me apetece ir a Évora, onde passei há pouco mais de um mês, e a primeira paragem acaba por ser Montemor-o-Novo.



A ideia de ter tudo planeado em viagem aborrece-me. Especialmente se esse planeamento implicar pouca margem para explorar, para conhecer fora de uma agenda, ou ver o que ainda não vi.
É também por isso que, para mim,  o pequeno prazer de decidir uma direcção em cima de um cruzamento é tão apelativa. De mudar o curso da história por um acaso, ou por impulso. Nada será igual. 
Ainda na N4, passei por um cruzamento com uma placa que indicava Barragem dos Minutos, com sinal de estrada sem saída. Confesso que nunca tinha ouvido falar, nem sequer tinha prestado atenção nas várias vezes em que aqui passei. Depois de ter passado pelo cruzamento, decidi voltar atrás.
Descobri que é uma barragem alentejana que acaba de completar dez anos, e pelo menos hoje ninguém se lembrou de aqui vir. O espaço está livre para explorar devagar. Boa oportunidade para tirar o tripé do saco.





Este tipo de descoberta seria impossível para quem gosta de viajar apressado. Para chegar depressa ao destino. Nem sequer via a placa.



Almocei em Arraiolos onde abasteci e pude verificar a média, em níveis mais razoáveis (4,9 l), depois de o anterior depósito ter parecido saído de uma experiência da Space X (8,1 l !). Algo de muito errado se passou. Com a actual afinação da carburação estou com autonomia para duzentos e vinte quilómetros. Mas ainda está a andar pouco para o que se exige de uma duzentos.




Depois de Arraiolos arranjei uma boa desculpa para esticar um pouco mais a rota, fui tomar café e um pastel de Sta Isabel a Estremoz. No regresso, optei por fazer a viagem junto ao Sorraia, pela N251, por Mora e Couço.




Dias ainda curtos em Fevereiro, cheguei a Lisboa com as primeiras luzes da grande cidade. A X8 não se queixou e cada vez mais me parece ser uma companhia de eleição em estrada nacional, muito confortável e relaxante se não estivermos com pressa.

E ainda me leva o tripé.

4 comentários:

Castanheira disse...

Pronto... retiro o que comentei no post anterior. :-)
Abraço

VCS disse...

Paulo,

Não percebi (?)
A Serra está aí à porta. Também vens ?

Abraço,
Vasco

Rui Tavares disse...

Tens tido uns sábados giros :)

VCS disse...

Rui,

Nem por isso. Os últimos tinham sido enfiados no escritório a trabalhar...
Este sim, foi um sábado digno do nome !

Abraço,
Vasco