quarta-feira, 19 de março de 2014

Magia na Serra




É o primeiro passeio longo do ano. Sempre precedido dos rigores do  inverno serve, talvez como nenhum outro, de barómetro para medir a dependência de um scooterista que não seja alérgico ao frio. Se falhar a ida à Serra da Estrela por vontade própria e não limitada, provavelmente estará em condições de ponderar a saída limpa da órbita das rodas pequenas. Talvez esteja curado do vício. Ou não tenha sido atingido por ele. 









A Serra da Estrela, soberano e altivo complexo montanhoso, é conhecida por ditar regras e não admitir negociações. Agendar, com meses de antecedência, um fim de semana para o final do Inverno é aceitar o que a natureza nos quiser dar. E apesar das facilidades de previsão e da meteorologia nos aparelhos móveis, a primeira mensagem válida só é enviada da Serra para o scooterista através das primeiras visualizações do cume. Por entre vales, montanhas e curvas vai-se revelando, por períodos gradualmente maiores e menos tímidos, uma imagem cada vez mais nítida das condições no topo. É aí, e à medida que começamos a subir, que a scooter se vai tornando mais pequena e menos forte. 













Este passeio é tradicional no Vespa Clube de Lisboa desde a década de 1960. Pela minha parte, e com menos de meia dúzida de participações seguidas, já subi com todos os sinais no boletim meteorológico. Com tempestade quase ciclónica, com neve, com chuva, com vento cortante, e até com sol ameno. Desta vez, a Serra deu-nos céu azul, muita neve na Torre, temperatura óptima para rolar de scooter, estradas limpas e secas e nem uma brisa. Impossível pedir mais. 










Para o Vespa Clube de Lisboa este é o evento anual mais descontraído e que tem menos logística associada. O que não significa que não haja trabalho de coordenação e organização. A sexta-feira e o domingo são dias dedicados às viagens, e o sábado representa a oportunidade de encontro e partilha mais estreita entre todo o grupo. O que inclui, pelo menos no meu caso, testar scooters de amigos e ceder a nossa para troca de experiências.

















Depois da habitual subida à Torre, e da descida por Manteigas, a equipa liderada pelo João Máximo sugeriu um almoço sereno, num espaço exclusivo com condições perfeitas na Quinta de Santa Iria, uma unidade de turismo rural em Teixoso, a poucos quilómetros da Covilhã. O sol convidava a ficar, mas mais forte era a vontade de calçar as luvas e colocar o capacete. As estradas até à aldeia histórica da Sortelha revelaram toda a beleza natural - quase bíblica - da região, e o regresso, com luz baixa, permitiu fotografias recompensadoras em andamento. Já à noite, a lua cheia e o céu limpo abriram espaço a um prazer quase infantil na Helix: descer os dez quilómetros da Pousada nas Penhas da Saúde até à Covilhã com o motor desligado. Pura magia na Serra.



 
 

17 comentários:

NunoMM disse...

Amigo Vasco,

Se este primeiro longo passeio do ano é ansiosamente esperado por quem vai (compreende-se), quem fica espera ansiosamente pelas fotografias que sempre trazes destes dias (compreende-se)...
Mais uma vez magníficas. Parabéns!
Curiosamente, vocês têm alternado: um ano de neve/outro de sol. No Sábado de Carnaval, indo eu de carro, só consegui sair da Torre atrás do limpa-neves.

Continuação de bons kms para ti.
Abraço do
Nuno

Rastafarian Buda disse...

Caro Vasco,

Não consigo encontrar palavras para definirem a intensidade da dor de cotovelo (no bom sentido) que estou a sentir neste momento. Este é sem dúvida o melhor passeio do ano e este ano fui forçado a faltar... e ainda por cima havia tóclantes :)
Para o ano estarei lá caído quase de certeza e possivelmente (se tudo correr bem) com algo vintage manual :P
Pelo que vi nas fotos, a CN ficou muito fixe, mal posso esperar para a ver ao vivo.
Um abraço
César

Canha disse...

Amigo Vasco,

Quem vai a Serra fica contagiado, e depois de ler o teu post torna-se difícil esperar um ano para experimentar... :-)
Esta tua frase revela bem o que é esse espirito
"Se falhar a ida à Serra da Estrela por vontade própria e não limitada, provavelmente estará em condições de ponderar a saída limpa da órbita das rodas pequenas. Talvez esteja curado do vício. Ou não tenha sido atingido por ele."

Um abraço

"Parabéns ao VCL"

SonjaM disse...

What a wonderful first outing. Very nice group of scooters, vintage and newer ones. I like the mix.

Lyp disse...

Vasco,

vinha cá todos os dias espreitar se já havia novidade acerca da ida à Serra... Valeu a pena a espera, mais um post com a qualidade que já habituaste toda a gente que segue o teu Blog.

Sim, também eu estou com inveja... E não é pouca! Espero um dia fazer-vos companhia.

A Helix ficou impecável, e a neve como pano de fundo, acenta-lhe que nem uma luva.

Obrigado pela partilha.

Um abraço,
Filipe

Máximo disse...

Caro amigo,
Obrigado pelo post no blog.
Realmente, o passeio à Serra tem qualquer coisa de mágico. Se por culpa da (des)organização, se pelas magníficas curvas, se por ser o primeiro passeio do ano, se pela imprevisibilidade do tempo, não sei...
Sei que adoro subir à Torre de Vespa, e sei que reencontrar todo este pessoal é maravilhoso.
E custa tanto saber que ainda faltam 365 dias...

VCS disse...

Nuno,

Obrigado pelo teu post. Não me lembro de um ano com meteorologia tão boa para rolar na Serra, e com muita neve no topo. As fotos beneficiaram da luz certa no regresso de Sortelha, ficaram com uma atmosfera que me agradou.

Abraço,
Vasco

VCS disse...

César,

Para o ano tens que arranjar maneira de ir. Mas leva almofadas para a scooter! :-)

A CN já está a caminho do pintor. Nas fotos não se nota, mas não ficou como se pretendia.

Um abraço,
Vasco

VCS disse...

Canha,

Obrigado pelo teu post, e pela magnífica volta na tua DL 200. Tem um empuxo típico de uma Lambretta espevitada, e permitiu-me brincar ao gato e ao rato com o Duarte, que nunca é difícil de rastilhar. Foi também a minha primeira experiência numa Lambretta empranchado à Arthur Francis. Acho que ainda me doem as costas...

Por outro lado, espero que tenhas ficado viciado na CN...

Abraço,
Vasco

VCS disse...

SonjaM,

Thank you for your post.
It´s a winter meeting promoted by our Vespa Club (Lisbon). Despite this it´s common to see Lambrettas or strange scooters like my Honda CN Helix in the group.
Serra da Estrela is situated 300kms from Lisbon.

Vasco

VCS disse...

Lyp,

Obrigado pelo teu post.
Este ano tivemos várias GTS no grupo, 250, 300 e até uma bonita 300SS laranja. Agenda já para o próximo ano !

Abraço,
Vasco




VCS disse...

Máximo,

Para quem se limita a aparecer e participar, como eu, é uma oportunidade sempre muito bemvinda de desfrutar: de estradas e paisagens lindíssimas, das nossas scooters, do convívio. E até das parvoíces saudáveis, como descer até à Covilhã "desligados".
Obrigado ao VCL por continuar a organizar este encontro.

Um abraço,
Vasco

Rui Tavares disse...

Lá falhei. E como se não bastasse dói-me o cotovelo. Muito. Valem-me as tuas imagens que tão bem refletem o que lá se sente.
Mas... O que é aquilo azul, estranho e comprido?

Julio disse...

Espectaculo! Bela posta. Obrigado por nos continuares a brindar com estas deliciosas crónicas. :)
abraço,
Júlio

VCS disse...

Rui,

Vai-te habituando ao objecto voador azul não identificado, será o teu transporte no Lés a Lés se não fiabilizares a tua Lambretta :-)

Abraço,
Vasco

VCS disse...

Júlio,

Mesmo sem scooter continuas ( e bem !) a vir aqui espreitar. Obrigado.

Um abraço,
Vasco

Rui Tavares disse...

Vou espalhar a Transalp, a Heinkel e a Vespa ao longo do país. Atestadas e com os pneus cheios