domingo, 8 de outubro de 2017

Trafaria (em)Bala



Feita a ponte de cinco para seis de Outubro, apeteceu-me fazer a ponte de norte para sul, manhã muito cedo. 

Acabei por passar e ficar pela Trafaria, onde já não ia há mais de uma década. Curioso porque a minha percepção não é de distância, mas de proximidade quase diária. É que tenho uma representação da Trafaria no meu gabinete de trabalho há muito, e é um quadro de que gosto.   

A Bala levou-me e tem estado ao serviço há duas semanas. Este foi o primeiro dia em que teve liberdade para espairecer fora da capital, cerca de cem quilómetros. Da brisa do Rio Tejo anormalmente seca para esta altura do ano, às ruas empedradas da Trafaria, e de volta a Lisboa, com passagem em Camarate onde me perdi no Bairro de Angola em busca de uma oficina recomendada pelo Manel para resolver um problema no variador da X8.

Enquanto estava a subir o garrafão para a ponte vindo da Costa, depois de fazer a via rápida, vinha a pensar quão touring esta scooter é. E porque razão a Piaggio nunca fez uma PX a quatro tempos. Esta era a PX que a Piaggio devia ter feito. Afinada como está, é uma delícia.

Dias como este fazem-me duvidar se faz mesmo sentido vendê-la.




2 comentários:

Castanheira disse...

Capacete novo?!

Pena não teres dito nada.

VCS disse...

Sim, é um El Met da Tucano. É um capacete que já está descontinuado e que eu já há anos queria comprar. Não trouxe um da Eicma em 2015 onde estavam quase a um terço do preço porque tinha que pagar bagagem no avião. Já só há uns restos de stock e poucas cores, mas gostei desta, aliás as cores são quase todas muito originais. O novo modelo não me diz nada.
Este El met tem a vantagem de ser em fibra e não em termoplástico, como a grande maioria dos modelos neste mercado dos capacetes urbanos.
Com a X8 uso a bagageira para deixar o capacete e descobri rapidamente que isso dá um desgaste muito acelerado aos ditos (em especial o calor, mas também os riscos), o que me fez antecipar a compra deste.

Abraço,
Vasco