sexta-feira, 9 de novembro de 2012

946 - De Protótipo à Produção





E não é que vão mesmo produzi-la ? Depois de ser apresentada em Milão em 2011 como protótipo, na altura ainda Quarantasei, a novidade mais sonante do stand Piaggio no certame milanês em 2012 deverá ser a versão de produção da 946, retratada nesta imagem atribuída a uma fonte Piaggio.


Consta que Valentino Rossi ter-se-à insurgido contra a designação Quarantasei, o seu número de corrida e objecto de valioso merchandising, o que terá levado a Piaggio a alterar a designação para 946. Não sei se a Piaggio estará a par - e este aviso é grátis - mas a Porsche tem direitos relativamente à designação 946, uma das séries da sua bandeira, o 911.


As informações sobre esta nova scooter a imprimir no catálogo Vespa ainda são escassas, mas aparentemente será comercializada numa versão 125cc automática a quatro tempos, de três válvulas, com controlo de tracção e - surpresa - refrigerada a ar. Outra característica ímpar da nova 946, e esta verdadeiramente exótica, é a composição do quadro: o aço dará lugar ao alumínio, o que, a confirmar-se, é uma novidade absoluta em 66 anos de Vespa.


A forma invulgar do banco, muito próximo do protótipo, é de grande arrojo estético apesar de tanta concessão ao design ter um elevado custo prático para o condutor: a ausência de espaço para um capacete. Sobre a estética a discussão antevê-se longa. Eu levanto o polegar sem hesitação e louvo a decisão de não produzirem uma 300, para não me criarem apetites. Estou curioso em relação ao preço, mas prevejo uma seta apontada às nuvens.   
 
 

6 comentários:

VCS disse...

Update: a imagem está confirmada como oficial, foi publicada no final do dia de ontem no site da Eicma:
http://www.eicma.it/news/vespa-946.htm

Leo_Dueñas disse...

Se alguém entende profundamente de design, são os italianos. De veículos então, ostentam a coroa de um longo reinado. Fico refletindo se o meu torcer de nariz a esta scooter de produção tão fiel ao conceito é um sintoma do olhar neófito ou se de fato o rebuscar tão excessivo no passado resultou numa realidade quase precária. Não vejo nela o charme do retrô e nem a harmonia atemporal, mas fala alto a funcionalidade sacrificada por algo que não me parece assim tão premente.

O tempo (e disso a Vespa entende) vai dar o veredito, mas como novidade, francamente, estou desapontado. Quem a ver de perto na EICMA pode dizer se ao vivo o bicho é mais bonito do que nas fotos.

Abraço,
Leo

VCS disse...

Leo,

Eu gosto deste exercício, e tenho que tirar o chapéu à Piaggio, antes de mais, por ter decidido apresentar um modelo de produção tão próximo do protótipo.

Há muitos elementos do protótipo aqui, eu destaco apenas três de que gosto muito. O banco, que é o mais óbvio, o escudo deitado para trás e estreito, com dois ângulos, com as bonitas guelras ao centro e a forma limpa e baixíssima de toda a traseira, que só é possível por via da solução minimalista do banco. Repara também na tampa direita, num detalhe que faz lembrar uma PK.

A minha única dúvida é em relação às proporções/volume, porque sendo uma small frame, espero que a linha magra e baixa não a transforme numa mini scooter. Só vendo ao vivo.

Tive pena de não ver o protótipo que esteve em Lisboa há uns meses.

Abraço,
Vasco

barreto disse...

gosto mas não a 100%. aquele volume bipartido por baixo do banco devia ser um só. sem aquele vinco... devaneios meus.

Castanheira disse...

É linda, design 5*, mesmo que seja pouco prática. :D
Sempre tive sérias esperanças que o protótipo passasse à produção.
Deviam era ter ter demorado mais tempo... é que o espaço que não tenho na garagem, abunda em demasia na carteira!

VCS disse...

EDIT:

Anunciado o preço em Inglaterra: 7.270 libras, ou seja, qualquer coisa como Eur.8.970,21 (!)

O alumínio sai caro.

Vasco